O século XXI é marcado pelo digital. Com uma evolução exponencial, o mundo está cada vez mais online. Porém, foi desde o surgimento da pandemia COVID-19 que a forma como as marcas são consumidas se revolucionou. O comércio online, também conhecido por e-commerce, cresceu no mercado português entre 40% a 60%, de acordo com um estudo da Group M, cujo valor médio das compras online aumentou cerca de 18% durante a primeira quarentena.

O e-commerce passou de um potencial futuro para uma solução do presente. Só em março de 2020, período marcado pelo surgimento do vírus em Portugal e implementação do primeiro Estado de Emergência, as pesquisas para compras online cresceram 513%, sendo que os setores que mais se destacaram foram o alimentar, casa, decoração, mobiliário e eletrónico, segundo o estudo supramencionado. Assim, começou a ser notório que o e-commerce passou a ser uma solução sólida, mesmo após o desconfinamento progressivo que temos vivido.

Marcado pela rapidez nas entregas, disponibilidade dos produtos e segurança e higiene, o comércio online permitiu que as marcas otimizassem os seus serviços. Quem ainda não tinha adotado este método, viu-se obrigado a fazê-lo. Prova do aumento significativo das lojas online em Portugal é a criação de websites com o domínio .pt: entre 2020 e 2021, foram criadas mais de 130 mil novas páginas com este indicativo. 

Os setores tiveram que se adaptar à nova realidade. Exemplo disso é a restauração que, por ter sido uma das áreas mais afetadas, teve de apostar nas entregas ao domicílio. Em agosto de 2020, o IBM (International Business Machine Corporation) estimou que a pandemia acelerou em 5 anos a transição do comércio físico para o digital - mais uma prova de que o e-commerce veio para ficar. Então, quais as estratégias a aplicar para manter a longevidade de uma loja online?

1. Desenvolver uma estratégia de promoção e de e-commerce

A sua marca já pode estar no digital, mas precisa de ter visitantes para que o investimento tenha retorno. Nesse sentido, é importante definir uma estratégia de redes sociais, e-mail marketing e marketing de conteúdos que atraia o público-alvo. Consulte as nossas notas sobre otimização das redes sociais, e-mail marketing e inbound marketing no blog.

2. Estabelecer uma relação com o utilizador

Utilizar um sistema de CRM (customer relationship management) é indispensável para compreender a jornada de compra dos visitantes numa plataforma online. Através do seu histórico, é possível personalizar as ações de marketing baseadas no seu comportamento.

3. Apostar na fidelização 

Receber novos visitantes num website é sempre uma mais-valia. Porém, é ainda melhor ter clientes que já conhecem o que temos para oferecer e escolhem repetir a experiência.

4. Considerar a experiência do utilizador

Seja em termos de design ou em que dispositivos está disponível, qualquer plataforma de e-commerce deve considerar a experiência do utilizador no seu todo. O website permite fazer compras só no computador ou noutros suportes como smartphone ou tablet? Fará sentido desenvolver uma aplicação? E de que forma a informação está disposta em cada meio? Os utilizadores fazem a pesquisa num dispositivo e compram num diferente? Estas são algumas perguntas que deverão ser tidas em consideração.

5. Otimizar o conteúdo para SEO

Quanto maior o número de visitantes orgânicos, melhor a reputação de uma loja online. Desenhar uma estratégia de SEO (search engine optimization) eficaz torna-se assim essencial. Partilhamos algumas dicas no nosso post de blog sobre o tema.

A Lisbon Project é uma agência de marketing com ADN digital. Se quiser que a sua marca reúna todas as condições para uma loja online sólida, eficiente e dinâmica, contacte-nos.